A força dos modelos mentais no momento de tomar de decisões

A força dos modelos mentais no momento de tomar de decisões


Modelos mentais são imagens, pressupostos e históricos que trazemos sobre o mundo que nos cerca. Eles nada mais são do que filtros da realidade. Todo o repertório que carregamos é afetado pelos modelos mentais de nossa educação. E dou um exemplo simples disso: se você desenhar uma casa, provavelmente vai rabiscar aquela casinha que viu nos livros da infância. É assim que o cérebro age.

A questão é que não costumamos usar modelos mentais para melhorar a qualidade de nossos diagnósticos — e é possível começar a fazer isso, desde que apliquemos algumas etapas de raciocínio. Vou explicar quais são elas.

Pensemos numa situação hipotética, como a escolha de um curso de pós-graduação. Um dos modelos mentais utilizados para decidir em qual instituição ingressar é o que divide as informações em três partes. Primeiro, refletimos sobre o conteúdo: está claro o que será discutido no curso? Os professores têm domínio sobre o que será ensinado? Qual é nossa expectativa em relação à grade? Quão profunda a discussão deve ser?

Depois, devemos pensar sobre o contexto, que é tudo o que nos cerca enquanto tentamos tomar uma decisão. No caso da escolha da pós, no contexto devem pesar itens como o nome da escola, a localização, o perfil da turma de alunos, o horário das aulas, a compatibilidade do curso com nossa agenda e nosso momento pessoal e o investimento financeiro necessário (ponderando se haverá ajuda externa, como bolsa da empresa em que trabalhamos, ou não).

Por último, é preciso avaliar a infraestrutura da instituição de ensino: quais são os materiais fornecidos? Temos a tecnologia necessária para acompanhar as aulas (computador, smartphone, tablet)? Existe uma biblioteca no local com os livros necessários para o estudo? As instalações da sala de aula e das áreas comuns são compatíveis com as expectativas?

A pós-graduação foi apenas um exemplo. O pensamento em etapas pode ser usado em qualquer tipo de decisão. Vamos a outra situação. Suponha que você tenha sido chamado para planejar o lançamento de um novo produto. O raciocínio seguirá os mesmos três pilares.

Ao pensar sobre o conteúdo, você deve raciocinar sobre: qual é o objetivo do produto? Quais qualidades devem ser percebidas? Quando chegar ao contexto, indague: qual é o papel do produto no portfólio da empresa? Quais são os concorrentes? A estratégia de preço está alinhada com o objetivo de mercado? Por fim, na discussão sobre infraestrutura, pergunte-se: o produto precisa ser explicado ao consumidor? A produção está preparada para entregar o produto tão logo seja anunciado o lançamento?

Via:
vocesa.abril.com.br//